conexão

corpo

O homem só se sente em boa saúde – que é precisamente, a saúde – quando se sente mais do que normal, isto é, não apenas adaptado ao meio e às suas exigências, mas também, normativo, capaz de seguir novas normas de vida.

GEORGES CANGUILHEM

figura_institucional_única_.png

 

O enfrentamento e o combate a um corpo e a uma vida formatados pela nossa sociedade passam pela invenção de um modo outro de se relacionar consigo mesmo, incluindo a doença e a morte.

 

Esse processo se dá pela experimentação de outra saúde, não aquela entendida como bem-estar, mas sim como produção de Vida. Não é uma saúde de ferro, de um corpo nunca acometido pelas enfermidades da vida, mas a saúde de que goza uma Vida Artista, aquela capaz de criar possibilidades de [c]o[m]posições potentes que não permitam que a pessoa paralise diante das adversidades da vida. 

Todos que nos procuram serão estimulados a (re)construirem, (re)organizarem e (re)socializarem suas trajetórias tornando-se sujeitos ativos no processo do cuidado de si. 

Assim o Conexão Corpo pode ser compreendido como um lugar de (c)o(m)posições restauradoras de um estado de criação que atravessa todas as dimensões da vida e para isso pode-se invocar qualquer um dos três eixos distintos que estruturam o Conexão Corpo, mas que são complementares - compor, experimentar e inventar . Nesse processo o terapeuta serve de instrumento para a composição desse cuidado; terapeuta e paciente irão juntos cartografar os recursos desse corpo.